Pregadores da Última Hora!


pb_leandroOs tempos em que vivemos, têm mostrado grandes sinais que apontam para a volta Jesus Cristo e consequentemente o arrebatamento da Igreja.   Dentro dessa perspectiva escatológica, cuja as profecias se cumprem uma após outra,  tais como: as 70 semanas de Daniel (Dn 9.24-27), as dores de parto descritas no Evangelho de Mateus Cap 24 e as 7 cartas para as 7 Igrejas na Ásia Menor no livro do Apocalipse Cap 2, tendo como a Igreja de Laodicéia a metáfora para a última Igreja, isto é, a que vivemos hoje; temos vivido tempos trabalhosos como profetizou Paulo a Timóteo na sua segunda Epístola “Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.” (2 Tm 3:1-5).

O interessante é que podemos aplicar uma das regras da hermenêutica proveniente da interpretação gramatical para associar os textos em uma ordem puramente lógica, isto é, a conexão textual.  Alinhando-se os textos de Mt 24.10-13 “Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão.  E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos.  E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará.  Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo”, 2 Tm 3.1-5 supracitado e Ap cap 3.15-18 “conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente!  Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca.  Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu;  Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas.”, coseguimos fazer uma única inferência, ou seja, uma conclusão para os tempos de hoje:  os tempos finas são trabalhosos e mergulhados numa intensa batalha espiritual pelo resguardo da salvação.

É nesse contexto que os pregadores da útima hora estão inseridos.  Podemos dividir esses pregadores em três grupos: os que pregam o evangelho por barganha, dinheiro e interesses desvirtuados (pregadores mercenários), os que pregam com medo de pregar a verdade, pois ocupam um lugar de destaque ou possuem algum privilégio e, por medo de perder a posição, pregam mensagens sem vida cujo conteúdo agrada aos ouvidos do corpo da Igreja, mas não alimenta a alma e muito menos desperta os sentidos da Igreja para volta de Cristo (pregadores falídos) e, por último, existe uma espécie de pregador que entende o contexto dos últimos tempos, tempos estes trabalhosos e que fazem com que esta espécie de pregrador pregue o genuíno evangelho, por vezes com um teor similar ao de João Batista, isto é, uma mensagem um pouco dura (pregadores do arrebatamento).

Os pregadores do arrebatamento são os pastores e obreiros que enchergam a iminente volta de Cristo e não se entregam aos manjares da carne.  São cheios do Espírto Santo e produzem sermões com vida e não sermões mortos como disse Charles Spurgeon, o príncipe dos pregadores.  Suas mensagens, de uma maneira ou outra, sempre citam o arrebatamento da Igreja, pois no coração desses pregadores arde o desejo de possuir uma das mansões celestiais.  Esses pregadores entendem que os tempos trabalhosos são refletidos pela carnalidade dos últimos dias.  Suas pregações não agradam a muitos ouvintes os quais se entregam às paixões efêmeras deste mundo e, por não agradar a muitos, acabam sendo erroneamente julgados.  Para exemplicar como esses pregadores sofrem por pregar o genuíno evangelho, este mesmo pregador que vos escreve este artigo ouviu certa vez um conselho de um obreiro incauto que disse as seguintes palavras “irmão você tem que parar de pregar Bíblia para poder fazer sucesso entre o povo que escuta suas mensagens” particulamente eu me entristeci juntamente com o Espírito Santo e minha alma chorou com tamanha falta de sabedoria.

Amados irmãos! É chegado o memento em que ouviremos o soar da trombeta de Deus e a igreja subirá ao encontro de Cristo nas nuvens.  Os pregadores da última hora não podem perder tempo com mensagens que enaltecem o ego humano, mas que não provocam transformações.  A Igreja (o crente) que vai subir é uma Igreja Santa, que ora, que consagra, que ama, sem mágoas, sem ciúmes, sem inveja, sem fofoca e todo tipo de carnalidade.  Portanto devemos pregar as verdades contidas no Novo Pacto, sendo nos evangelhos, no livro histórico de Atos, nas cartas Deoutrinárias de Paulo e nas Espístolas Gerais e nunca, ratifico nunca, devemos deixar de pregar o Apocalípse, isto é, o livro da revalação final, o qual nos faz entender que Jesus Cristo está voltando.

Maranata, ora venha Senhor Jesus Cristo!

Pb.  Leandro da Costa Pacheco

Deixe um comentário